As minhas Personagens...

Apesar das várias assinaturas..., as palavras são todas da minha autoria.







Pesquisar aqui!

Número total de visualizações de página

domingo, 10 de junho de 2012

Coração duplicado

Deslizei.
Quis morder sem comer.
Escorreguei.
Quis saborear sem apreciar.
Caí.
Quis querer sem ter.
Sofri.
Quis ter e não perder.
Enganei.
Quis manter sem afastar.
Errei.
Quis dois pássaros na mão,
Mas os dois que tive no coração,
Saíram a voar…!
Sem que eu lhes pudesse dizer
Que houve uma altura
Em que os dois consegui amar.

Ofélia Castro

Os velhos que teimam em passar


Vejo tudo, deste local onde me sento.
O gato que se lava, a chuva que tanto molha,
A pessoa que passa mais que duas vezes em frente à loja...
Vejo preocupações, observo tiques...
Ouço gritos, vejo raiva. Todos estes transeuntes...
Vejo-os de dentro para fora.

Nunca vi ninguém a observar-me
Tanto quanto observo a eles.
Aqui sou algo aconchegante,
Sou invisível.

Neste sitio onde me pouso,
está frio e brisa gelada.
O Inverno veio finalmente.
Em Portugal fez-se tardar.
O tempo já não é como era...

Vejo-os com casacos, chapéus de chuva,
Aflitos, rápidos, de olhos baixos.
A multidão que passa diante dos meus olhos
Está triste.
Será que os sonhos lhes morreram?
Ou já serão velhos demais para sonhar?
Os velhos de Benfica teimam em passar...

Passam com bengalas, andarilhos,
Chapéus efémeros, saias...
Faça chuva ou sol...
Eles passam...
Uma, duas e três vezes à minha frente.
Que farão para andarem tantas vezes por dia
Para a frente e para trás?

Questiono-me se assim serei
Quando não sair mais para trabalhar.
Inventarei eu compromissos?
Ansiedades para companhia?
O que serei quando o que quiser ser
Já tenha sido?

A vida esgueira-se entre os nossos dedos
Como se fosse água nas nossas mãos.
Ninguém gosta de envelhecer.
Digam o que disserem.
A vida é uma dádiva, um presente que
Não nos pertence nunca.
Ela ocupa-se de nós no momento em que
emergimos das águas...
E nós, ocupamo-nos de nós mesmos...

Sempre tive medo de crescer.
Em pequena cheguei a ter inclusive
Medo de envelhecer.
Nós não nos damos conta da semente frágil
Que somos na terra.

Lá de fora, afinal,
Alguém me olha.



2011
Diana Estêvão

Sentir

Senti-me em euforia,
Senti-me completa.
Perdida...
Senti-me repleta.
Sinto-me vazia...
Sinto-me desperta.
Sinto-me sem chão,
Sinto-me descoberta.
Sentir-me-ei dividida...
Morta,
Despida...
Desta veste que me conforta.

Ofélia Castro
2010

Eu

A minha foto
Planeta Terra, Portugal
Para quem visitar o meu espaço, não se esqueça que o último texto da página foi o primeiro a ser colocado e que entre os primeiros e últimos textos, há sempre uns pelo meio... Digo isto porque quando leio um blog, tento perceber se há algum texto que me agrade, sem deixar que os primeiros, os últimos ou os do meio me repulsem... Aqui, há textos para todos os gostos.